Paraná comemora 45 anos do Iapar, referência em pesquisa e agroinovação

O Instituto Agronômico do Paraná (Iapar) chegou aos 45 anos em junho e consolidou-se ao longo dos anos como referência em pesquisa e inovações para a agricultura e pecuária.

Florindo Dalberto, diretor-presidente da instituição, conta que a criação do Iapar, em 1972, resultou da mobilização e esforço de produtores, técnicos e lideranças políticas e empresariais ligadas à agricultura. 

PIONEIRISMO - A atuação do Iapar foi marcada pelo pioneirismo em várias frentes. Um exemplo é o desenvolvimento de cultivares de maçã para regiões de inverno ameno, caso do Norte do Paraná. Esses materiais - Iapar Eva e Iapar Julieta - são hoje cultivados em todos os Estados do Sul do Brasil, São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais e até na Bahia.


Outro é o feijão carioca IPR Celeiro, primeira cultivar comercial, não transgênica, comprovadamente tolerante ao mosaico dourado, uma das principais doenças da cultura, que causa prejuízos significativos em lavouras de todo o Brasil.


O pioneirismo se estendeu ainda aos citros, por meio de estudos que possibilitaram o plantio dessas frutas e a inserção do Paraná no mapa da produção nacional e internacional de frutas cítricas.

RAÇA PARANAENSE - Na pecuária de corte, o Iapar criou a primeira raça paranaense - e também a primeira no Brasil originada em um centro estadual de pesquisa - a Purunã. Os cruzamentos foram iniciados em 1985, visando um animal capaz de produzir carcaças de elevado padrão, com baixo custo e que ficassem prontos para abate em pouco tempo. Para alcançar esses objetivos, os pesquisadores partiram de cruzamentos controlados envolvendo animais puros das raças Aberdeen Angus, Canchim, Caracu e Charolês. 

PLANTIO DIRETO - O Iapar foi ainda um dos precursores nas pesquisas com plantio direto no Brasil. A instituição mal iniciara suas operações, no início da década de 1970, quando os pesquisadores enfrentaram o problema da erosão, que devastava propriedades agrícolas, rios e córregos do Paraná. 

Com abordagem em microbacias, desenvolveram e adaptaram métodos de terraceamento e cultivo mínimo que possibilitaram recuperar milhares de hectares de solo cultivado e inspiraram projetos similares em outras regiões brasileiras e também na América Latina e na África. 

Foto: Reprodução/IAPAR

Postagens mais visitadas