"Vamos trabalhar fortemente na defesa da imagem do agronegócio brasileiro", diz presidente da Apex-Brasil


Paulo Palma Beraldo
Foto: Divulgação/Apex-Brasil

Logo após o final dos Jogos Olímpicos, o país lançou a campanha internacional Be Brasil (Seja Brasil), com o objetivo de reforçar a credibilidade do país como parceiro comercial. A ideia é buscar promover os negócios brasileiros no exterior apresentando atributos como sustentabilidade, inovação e criatividade. E o agronegócio é um dos principais focos desse novo direcionamento. 

Juntos, o governo e as principais entidades do agronegócio brasileiro vão desenvolver programas e ações específicas de ampliação do acesso aos mercados, defesa de interesses nacionais no exterior e comunicação, para posicionar o agronegócio brasileiro por meio da adequada comunicação de seus atributos - conta o embaixador Roberto Jaguaribe, presidente da Apex-Brasil (Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos), em entrevista ao De Olho no Campo. 

De acordo com Jaguaribe, haverá também a divulgação de temas pouco conhecidos. Um deles é a sustentabilidade e a tecnologia presentes no agronegócio. Mas a campanha é ampla, abrangendo também a criatividade de setores como a moda e o audiovisual, "além de evidências de que o país é competitivo globalmente em diversos segmentos". 

 - É assim que queremos ser vistos pelos nossos potenciais parceiros de negócios ao redor do mundo. Vamos utilizar como suporte a divulgação de histórias de sucesso e oportunidades de negócios e fazendo uso de ferramentas de comunicação integrada, como relações públicas, publicidade, eventos e ações em mídias sociais - comenta. 

Na conversa abaixo, o embaixador conta um pouco mais das mudanças e dos projetos da Apex-Brasil. Alguns temas abordados foram a imagem do Brasil no exterior, a inserção do país no mercado internacional e os trabalhos da agência. 

Quais principais mudanças ocorreram na Apex Brasil quando a agência deixou de ser subordinada ao Ministério do Desenvolvimento e passou a responder ao Itamaraty? 
A vinculação da Apex-Brasil ao MRE trouxe um grande ganho para a inserção do Brasil no mercado internacional, tanto em relação às exportações quanto à atração de investimentos estrangeiros. A Agência e o Ministério trabalhavam de forma paralela e as iniciativas em alguns casos se sobrepunham. Quando passamos a atuar juntos, ganhamos muito mais força.

A Apex-Brasil tem capacidade para, com seu trabalho de inteligência e com as informações obtidas junto aos setores apoiados, municiar os negociadores do Ministério das Relações Exteriores que estão buscando mais acordos comerciais para o Brasil. 

E, na outra ponta, a Agência auxilia as empresas a aproveitar as oportunidades abertas com os acordos, por meio de suas ações de promoção comercial. Além disso, a partir do entrosamento com o Itamaraty, a Apex-Brasil ganha capilaridade porque passa a usar mais fortemente a rede das embaixadas, que tem mais de 200 postos espalhados pelo mundo. 

Desta forma, temos agora todas as condições de fazer um trabalho ainda mais efetivo na promoção das exportações e na atração de IED (investimentos estrangeiros diretos). 


"A Apex-Brasil vai reforçar cada vez mais o trabalho de inteligência e monitoramento de mercados". 
E atuar como interlocutor dentro do governo, ajudando a levar os pleitos do empresariado e a coordenar com os diversos órgãos a realização de iniciativas que ajudem a melhorar a competitividade do Brasil.

Em relação ao agronegócio, citado pelo embaixador Roberto Jaguaribe em entrevista como a área que tem maior possibilidade de expansão no curto prazo, em quais produtos a Apex vai focar suas atividades? 
O agronegócio é um dos focos da campanha Be Brasil. Vamos trabalhar fortemente a mensagem de tecnologia e sustentabilidade, pois somos um dos maiores produtores agrícolas do mundo e, de longe, o país com agricultura mais sustentável, com maior cobertura vegetal nativa preservada e maiores índices de produtividade, produzindo cada vez mais com menos recursos. 

A Apex-Brasil já apoia há vários anos a exportação de diversos produtos mas, nessa campanha, vamos trabalhar o setor como um todo, principalmente com o mote Be Sustainable, Be Brazilian Agribusiness.

Também temos uma ação em construção junto ao setor privado, em parceria com o MAPA, o Ministério das Relações Exteriores e a Câmara de Comércio Exterior, em que vamos trabalhar fortemente na defesa da imagem do agronegócio brasileiro em mercados estratégicos. 

Juntos, o governo e as principais entidades do agronegócio brasileiro vão desenvolver programas e ações específicas de ampliação do acesso aos mercados, defesa de interesses nacionais no exterior e comunicação, para posicionar o agronegócio brasileiro por meio da adequada comunicação de seus atributos. 

Pretendemos assim sensibilizar a opinião pública de forma que nossas ações voltadas à defesa dos interesses brasileiros contra barreiras comerciais sejam eficazes e resultem no aumento das exportações brasileiras de maior valor agregado.

Que outros países têm um trabalho considerado exemplar pela Apex Brasil em relação ao comércio exterior? 
Há vários exemplos de inciativas bem sucedidas, como as do Peru e do Chile, na América Latina. Mas para estruturar nossa campanha Be Brasil, nos inspiramos em exemplos como a campanha de marketing internacional GREAT Britain, do Reino Unido, que é mais abrangente que a nossa, mas tem uma vertente voltada para negócios. 

A campanha britânica também foi lançada no contexto dos Jogos Olímpicos de 2012, realizados em Londres, e fizemos questão de aproveitar o ambiente de grande visibilidade que o Brasil ganhou com os Jogos deste ano no Rio de Janeiro para lançar nossa iniciativa.

Quais principais estereótipos da imagem do Brasil no exterior a Apex pretende modificar com a campanha Be Brasil
Diversas pesquisas realizadas nos últimos anos a respeito da percepção geral do estrangeiro sobre o Brasil indicam que o país é bem visto por conta da sua simpatia e riqueza de recursos naturais, mas identificam que os aspectos positivos de se fazer negócios com o Brasil ainda são pouco reconhecidos. 


"Ainda existe, portanto, um desconhecimento sobre a qualidade e a competitividade dos produtos e serviços brasileiros".

Para superar essa limitação, pretendemos reforçar o posicionamento do Brasil como um parceiro de negócios confiável, positivo e dinâmico. A campanha é uma plataforma conceitual e flexível que se acomoda a uma multiplicidade de áreas e de elementos. 

A ideia é centralizar isso em alguns conceitos muito associados ao Brasil, alguns dos quais menos compreendidos lá fora, como o de sustentabilidade, para promover as exportações, a atração de investimentos, e a internacionalização das empresas brasileiras. Todas elas se beneficiam dessa campanha que tem como foco melhorar a imagem do Brasil como parceiro de negócios.

Queremos aumentar a credibilidade do Brasil junto aos importadores e investidores dos mais diversos mercados. Vamos trabalhar, por exemplo, mensagens e depoimentos que mostrem que quem faz negócio com o Brasil, volta para fazer mais negócios, porque somos competitivos e temos ofertas de qualidade.

O De Olho no Campo agradece a atenção do presidente da Apex-Brasil e da assessoria de comunicação da entidade. 

Postagens mais visitadas