Plantio direto contribui para mitigação dos gases de efeito estufa

Pesquisa realizada na região central do Cerrado brasileiro e publicada na Nature/Scientific Reports mostra que os estoques de carbono em solo sob sistema de plantio direto (SPD) no longo prazo podem se equiparar aos valores originais observados em solo de Cerrado nativo. 
 
O trabalho avaliou a dinâmica dos estoques de carbono do solo em áreas de plantio direto sob diferentes tempos de adoção. O estudo é resultado de um trabalho que começou na Embrapa Cerrados em 2001. 
 
O sequestro de carbono foi avaliado em áreas agrícolas sob plantio direto nos municípios de Rio Verde e Montividiu, na região sudoeste de Goiás, consideradas representativas da agricultura intensiva da região do Cerrado. Para o desenvolvimento do estudo foi utilizada uma cronossequência. 
 
"Esse tipo de abordagem permite realizar observações em condições de fazenda, nas quais áreas agrícolas com características semelhantes de clima, solo e relevo são comparadas de acordo com seu histórico de uso", explica o pesquisador da Embrapa Cerrados Robélio Marchão, um dos idealizadores do estudo.
 
O sequestro de carbono em solos agrícolas é um processo importante, pois é uma forma de mitigação do efeito estufa. Além disso, o acúmulo de carbono no solo promove outros benefícios sobre a qualidade do solo, tanto do ponto de vista químico, quanto físico e biológico. 
 
As pesquisas foram conduzidas em parceria com a Embrapa Arroz e Feijão (GO), Centro de Cooperação Internacional em Pesquisa Agronômica para o Desenvolvimento (Cirad), da França, Centro de Energia Nuclear na Agricultura da Universidade de São Paulo (Cena/USP), Universidade Estadual de Londrina (UEL) e Universidade de Rio Verde (UniRV). 
 
Resultados
 
Um dos objetivos iniciais da pesquisa era avaliar se a longo prazo o sistema plantio direto continuaria a estocar carbono no solo ou se haveria uma saturação do carbono no perfil. "Já existiam na literatura relatos de que, após aproximadamente 20 anos, o plantio direto deixaria de acumular carbono no solo por causa de uma possível saturação. Esse é inclusive o prazo adotado pelo Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC) para se determinar a contribuição pela adoção do sistema. Mas permanecia a dúvida se esse critério era válido para condições tropicais", esclarece Marchão.
 
O estudo foi baseado na comparação de duas épocas de amostragem, 2003 e 2011. Na primeira fase da pesquisa, percebeu-se uma variação muito grande, com uma elevada taxa de acúmulo de carbono nas áreas de plantio direto. 
 
Nessa época, as áreas estudadas possuíam histórico de adoção de um a 13 anos. A pesquisa avaliou uma cronossequência de áreas cultivadas sob sistema de plantio direto em diferentes tempos de adoção desde a conversão do preparo convencional do solo − amostrada em 2003 e revisitada em 2011. 
 
De acordo com o pesquisador, os teores de carbono do solo nas áreas de Cerrado nativo e pastagem contínua foram também amostrados como referência. Os principais resultados observados revelaram que, no período de aproximadamente entre 11 e 14 anos, os estoques de carbono do solo sob sistema de plantio direto foram elevados, se aproximando dos observados no Cerrado nativo. 
 
"As taxas médias anuais de sequestro de carbono estimadas utilizando o método da cronossequência foram 1,61 e 1,48 Mg C ha−1 ano−1 (megagrama de carbono por hectare por ano) nas amostragens de 2003 e 2011, respectivamente, e revelaram-se maiores que aquelas observadas ao comparar os mesmos locais amostrados após o período de oito anos. O método de comparação diacrônico, que faz uso de resultados dos estoques nos sistemas dentro de uma mesma época (ano) de avaliação, revelou que as áreas sob sistema de plantio direto mais recentes apresentaram tendência de maiores incrementos no estoque de carbono em comparação às áreas mais antigas", afirma.
 
Segundo o especialista, estima-se que a conversão de uma área extra de oito milhões de hectares sob sistema de plantio convencional para sistema de plantio direto permitirá atingir uma taxa de sequestro de carbono atmosférico de oito milhões de toneladas (oito teragramas) por ano no período de dez a 15 anos após a conversão. 
 
"Esses resultados são extremamente importantes para se avaliar o potencial da tecnologia do plantio direto, uma vez que ela é umas das opções do Plano Setorial de Mitigação e de Adaptação às Mudanças Climáticas para a Consolidação de uma Economia de Baixa Emissão de Carbono na Agricultura (Plano ABC)", afirma. 
 
Perspectivas
Prática agrícola comumente adotada por produtores pelo País, o sistema de plantio direto é uma tecnologia conservacionista que teve grande desenvolvimento a partir da década de 1990. Além de reduzir a erosão e evitar perdas de solo, o SPD reduz os custos de produção por não necessitar revolver o solo (menor custo energético) e também aumenta o rendimento das operações de semeadura, ampliando a janela de plantio para o produtor. 
 
O resultado desse estudo, no entanto, confirmou que, após aproximadamente 20 anos de conversão das áreas sob manejo convencional para o plantio direto, pode ocorrer, de fato, uma saturação de carbono na camada superficial do solo.
 
"O desafio da pesquisa é encontrar outras formas de promover o acúmulo de carbono no solo. Já podemos afirmar, para o caso de solos agrícolas corrigidos, que a rotação dessas áreas com pastagens, em sistemas que integram lavoura e pecuária, é uma das formas de potencializar o plantio direto, permitindo, assim, acumular carbono em camadas mais profundas do perfil do solo", afirma o especialista. Segundo ele, a intenção agora é continuar com esse monitoramento de longo prazo para avaliar como será a evolução daqui pra frente. 
 
Scientific Reports é a única publicação de acesso livre do Nature Publishing Group. O trabalho pode ser acessado na íntegra neste endereço
 
Foto: Sebastião José de Araújo
 
Fonte: Juliana Caldas/Embrapa Cerrados

Postagens mais visitadas