Embrapa lança cultivar de trigo de sequeiro em MG

A área potencial para o cultivo de trigo no Cerrado é de quatro milhões de hectares, mas a maior oportunidade de crescimento da cultura no Brasil Central está no sistema de cultivo de sequeiro, que não disputa espaço nos pivôs com culturas mais rentáveis. 

Para atender esta lacuna, a Embrapa lança a cultivar BRS 404, com cerimônia durante o Dia de Campo de Trigo realizado pelo Moinho Sete Irmãos, nesta sexta-feira (26), em Santa Juliana (MG).

Segundo o pesquisador da Embrapa Trigo (Passo Fundo, RS), Márcio Só e Silva, o interesse dos produtores do Brasil Central pelo trigo tem crescido na última década devido a uma série de fatores, como o vazio sanitário da soja e do feijão, a necessidade de gramínea (no caso o trigo) para quebra do ciclo de doenças de hortaliças, a movimentação da infraestrutura e recursos humanos no inverno, além da geração de renda na entressafra. Contudo, da área potencial de trigo no Cerrado/Centro-oeste, apenas 5% conta com cultivo de trigo regularmente.

"A Embrapa e outros parceiros da iniciativa pública e privada têm trabalhado na adaptação e geração de tecnologias que viabilizem os melhores resultados do trigo na região. Os altos rendimentos e a qualidade do cereal no sistema de produção irrigado já são atrativos, mas a falta de água tem sido fator limitante, por isso a importância de disponibilizar uma tecnologia competitiva no sistema de sequeiro, que implica custos de produção menores", explica o pesquisador da Embrapa Cerrados (Planaltina, DF), Júlio Albrecht.

O trigo BRS 404 deverá substituir a cultivar BR 18 - Terena, única opção de sequeiro indicada pela Embrapa desde 1986. A cultivar BRS 404 se destacou entre as testemunhas com relação à brusone durante os experimentos e foi classificada como cultivar de moderada suscetibilidade à brusone, um marco para a pesquisa já que até agora as cultivares de trigo se mostravam altamente suscetíveis à doença.

A cultivar BRS 404 está indicada para os Estados de Goiás, Minas Gerais e o Distrito Federal, em áreas de sequeiro, com altitudes iguais ou superiores a 800 metros. O potencial de rendimento é de 40 sacos por hectare, com classe Pão, grão duro e força de glúten (W) em 320.

Foto: Lisandra Lunardi 

Postagens mais visitadas