Governo mineiro reconhece cadeia produtiva do Pequi

O Governo do Estado, por meio da Secretaria de Desenvolvimento Econômico (Sede), reconheceu oficialmente nesta quinta-feira (28/5), em Montes Claros, o Arranjo Produtivo Local (APL) do Pequi e outros Frutos do Cerrado. 

O novo arranjo contempla 14 municípios do Norte de Minas e traz, como benefício imediato, crédito especial da Caixa Econômica Federal (CEF) para os produtores organizados e para os que agregam valor ao pequi.  

O coordenador do Núcleo Gestor de Arranjos Produtivos Locais da Sede, Fernando Passalio Avelar, explicou as duas linhas de crédito que beneficiam diretamente os integrantes do APL do Pequi. São elas: a linha Proger – com recursos do Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT) – destinada à expansão de empresas e aquisição de novos equipamentos, veículos, computadores e até mesmo reformas. 

A taxa é de 0,94% ao mês, com prazo de 48 meses para pagamento e 180 dias de carência. A outra linha disponível é APL Giro, recurso do Programa de Integração Social (PIS) que, como o próprio nome diz, se destina ao capital de giro das empresas com alíquota de 0,83% ao mês e 12 meses para pagamento.

Passalio disse ainda que o Estado está reformulando a política dos APLs e, por isso, pediu às associações e cooperativas do Pequi para contribuírem com sugestões em pontos considerados fundamentais para o desenvolvimento do setor. 

O novo APL passa, a partir de agora, a fazer parte do Núcleo Gestor da Cadeia Produtiva do Pequi e outros Frutos do Cerrado da Sede, cujo objetivo é articular ações de apoio à cadeia produtiva. Também no Estado, dentro da Secretaria de Desenvolvimento Agrário (SDA), existe o Conselho Diretor Pró-Pequi, responsável pela gestão do Programa Mineiro de Incentivo ao Cultivo, à Extração, ao Consumo, à Comercialização e a Transformação do Pequi.  

Os municípios contemplados com essa iniciativa são: Montes Claros, Januária, Chapada Gaúcha, Buritizeiro, Rio Pardo de Minas, São João da Lagoa, Riacho dos Machados, Lontra, Japonvar, Várzea da Palma, Ponto Chique, Coração de Jesus, Arinos e Bonito de Minas. Boa parte dos produtores de pequi do Norte de Minas é organizada em associações e cooperativas, mas há aqueles que não são vinculados a nenhuma entidade.

“A cadeia do pequi é muito importante para o Norte de Minas, atendendo milhares de famílias. Por isso, consideramos fundamental esse novo olhar do governo para essa cultura”, afirmou o secretário de Estado de Desenvolvimento Econômico, Altamir Rôso. 

Ele lembra que, no passado, o pequi era fonte de renda apenas nos meses da safra. Entretanto, com a inovação alcançada nos últimos anos, é possível movimentar o setor durante todo o ano na fabricação de derivados do fruto.

Variedade de usos e benefícios à saúde
O pequi é uma árvore nativa do cerrado brasileiro e o seu fruto é muito utilizado nas culinárias mineira e goiana. Dele é extraído o óleo de pequi, a polpa e a castanha. Fabrica-se também farinha, geleia e o licor de pequi. 

O fruto tem cheiro e sabor marcantes e pode ser consumido cozido puro ou com arroz e frango. Do ponto de vista nutricional, é considerado um alimento rico em vitamina A e potássio; possui propriedades medicinais com ácidos graxos monoinsaturados, altos índices de compostos anti-inflamatórios e é remédio natural para asma.

Atualmente, existem cerca de 40 Arranjos Produtivos Locais (APLs) no estado, em diferentes segmentos da economia. Entre eles estão o de eletroeletrônicos (Santa Rita do Sapucaí), biotecnologia (Grande BH, Triângulo e Viçosa) e software (Grande BH). 

A união de empreendedores em forma de APL facilita o acesso a linhas de crédito com juros mais baixos, impulsiona a comercialização dos produtos nos mercados interno e externo e possibilita outros benefícios como capacitação, por meio de cursos e workshops.

Foto: Emater-MG/Divulgação

Postagens mais visitadas