Alimentos biofortificados buscam reduzir a desnutrição da população

Unidades da Embrapa trabalham com melhoramento genético em todo o país e com a aceitação por produtores e consumidores de alimentos mais nutritivos. 

A deficiência de micronutrientes como ferro e zinco e de vitamina A constituem sérios problemas de saúde pública nos países em desenvolvimento. Estudos apontam a anemia como um dos mais importantes problemas nutricionais no Brasil. Como forma de melhorar a dieta dos brasileiros, especialmente os mais carentes, surgiu o projeto BioFORT, que está em desenvolvimento há mais de dez anos. 

Este programa é responsável pela biofortificação de alimentos no Brasil, coordenado pela Embrapa, a qual inclui 14 unidades de pesquisa em toda a nação, que trabalham com foco no melhoramento genético convencional de alimentos básicos na dieta da população como arroz, feijão, feijão caupi, mandioca, batata-doce, milho, abóbora e trigo. 

O projeto tem como objetivo primeiro diminuir a desnutrição e garantir maior segurança alimentar através do aumento dos teores de ferro, zinco e vitamina A na dieta da população mais carente. 

O processo de biofortificação é feito com o cruzamento de plantas da mesma espécie, gerando cultivares mais nutritivas, ou conhecido, como melhoramento genético convencional. Inclusive, o projeto ao longo do tempo, formou uma rede de pesquisadores no Brasil e no exterior, que estão investindo em conhecimento técnico-científico da agronomia e da saúde e estão obtendo alimentos mais nutritivos.

Como é desenvolvido o BioFort
A essência do projeto é enriquecer alimentos que já fazem parte da dieta da população para que esta possa ter acesso a produtos mais nutritivos e que não exijam mudanças de seus hábitos de consumo.

No campo, as cultivares são selecionadas e as mais promissoras seguem para a etapa de melhoramento. Nessa etapa, o objetivo é a obtenção de cultivares mais nutritivas, que também apresentem boas qualidades agronômicas (produtividade, resistência à seca, pragas e doenças), além de boa aceitação de mercado. 

Ao mesmo tempo, nos laboratórios da Embrapa e das universidades vinculadas ao projeto, estão sendo iniciados os estudos sobre biodisponibilidade para estimar se o organismo humano consegue absorver os micronutrientes presentes nas cultivares melhoradas.

Com o aval dos Comitês de Ética das universidades, os pesquisadores estão avaliando a aceitação aos alimentos mais nutritivos, como em Sergipe, onde mandioca, batata-doce e feijão-caupi já estão sendo testados na merenda escolar. 

Outras equipes do projeto buscam desenvolver produtos agroindustriais a partir de matérias-primas biofortificadas como a formulação de farinhas de batata-doce para elaboração de produtos com maior valor agregado (pães, snacks e farinhas pré-cozidas para sopas instantâneas e mingaus), que ampliam a oferta de alimentos mais nutritivos. 

Outra etapa igualmente importante é o desenvolvimento de soluções tecnológicas para a conservaçao dos micronutrientes. Por isso, através de parcerias, o BioFORT trabalha no desenvolvimento de embalagens para, principalmente, garantir a conservação dos micronutrientes nos produtos processados.

Todo esse esforço ganha visibilidade com as ações de comunicação e sensibilização dos públicos de interesse do projeto. A equipe do projeto promove com frequência eventos como palestras, seminários e dias de campo para produtores rurais, empresários e pesquisadores.

O projeto se preocupa, ainda, com todo processo de alimentação do cidadão, desde o momento em que o alimento é produzido até a mesa do consumidor. Por isso, os pesquisadores se preocupam durante o desenvolvimento do projeto em considerar e analisar a receptividade dos produtores nas comunidades rurais em relação as novas cultivares. É importante que as novas cultivares, além dos ganhos nutricionais também apresentem vantagens agronômicas e comerciais. Já o consumidor é outro elemento importante no processo e é indispensável a sua aceitação aos alimentos biofortificados.

O que é desenvolvido com biofortificação 
Vários estados brasileiros já estão desenvolvendo biofortificação em vários alimentos básicos. Veja como o projeto BioFORT está presente nestes locais:

Maranhão: Multiplicação de cultivares de feijão, arroz, feijão-caupi e batata-doce em assentamentos rurais.
Piauí: Seleção, melhoramento genético e multiplicação de cultivares de feijão-caupi.
Pernambuco: Multiplicação de cultivares de feijão, feijão-caupi e abóbora.
Sergipe: Multiplicação de cultivares de feijão, feijão-caupi, mandioca, batata-doce e milho, seleção e melhoramento genético de cultivares locais de abóbora, avaliação de resultados na merenda escolar.
Bahia: Seleção, melhoramento e multiplicação de cultivares de mandioca.
Distrito Federal: Seleção, melhoramento e multiplicação de batata-doce e trigo.
Goiás: Seleção, melhoramento genético e multiplicação de cultivares de arroz e feijão.
Minas Gerais: Multiplicação de cultivares de mandioca, milho, batata-doce, arroz e feijão em escolas técnicas de agricultura e capacitação de produtores e técnicos por meio de cursos, seminários e dias de campo.
Rio de Janeiro: Multiplicação de cultivares de arroz, milho, feijão, mandioca, batata-doce, abóbora e feijão-caupi.
 Paraná: Multiplicação de cultivares de milho, trigo e mandioca.
 Rio Grande do Sul: Seleção e melhoramento genético de cultivares de trigo.

Parceiros
O BioFORT tem um desafio de combater a fome oculta que debilita mais de dois bilhões de pessoas em todo o mundo. Mas, as parcerias com instituições públicas e privadas tem permitido que as novas cultivares cheguem às comunidades rurais e urbanas mais carentes.

E o Brasil tem se destacado num aspecto diferenciado dos demais países no desenvolvimento de biofortificação. O país é o único onde são conduzidos, ao mesmo tempo, trabalhos com oito culturas diferentes: abóbora, arroz, batata-doce, feijão, feijão-caupi, mandioca, milho e trigo.

A Embrapa Agroindústria de Alimentos, localizada no Rio de Janeiro, é uma das unidades da Embrapa e lidera o projeto BioFORT, que faz parte da Rede de Biofortificação no Brasil. Esta rede foi iniciada pelo projeto HarvestPlus, financiado pela fundação Bill & Melinda Gates e pelo Banco Mundial, entre outros, e também inclui o projeto AgroSalud, financiado pela Agência Canadense para o Desenvolvimento Internacional (CIDA), ambos coordenados pela Embrapa Agroindústria de Alimentos.

Quatorze unidades da Embrapa fazem parte do BioFORT, que conta, ainda, com uma extensa rede de parcerias (universidades, prefeituras, governos estaduais e associações de produtores). Ao todo, cerca de 200 pesquisadores, técnicos e parceiros estão envolvidos no projeto.

O BioFORT em Pelotas
A Embrapa Clima Temperado, em Pelotas/RS, está iniciando ações de inserção neste projeto de biofortificação e vai receber nesta sexta-feira, 29 de maio, a coordenadora do BioFORT, a pesquisadora Marília Nutti, da Embrapa Agroindústria de Alimentos, do Rio de Janeiro/RJ, que vai apresentar o Seminário sobre Biofortificação de Alimentos no Brasil. 

Durante o encontro haverá a participação do co-líder do projeto, pesquisador José Luiz Viana, que vai falar sobre os Avanços na biofortificação de alimentos e oportunidades na geração de novos produtos. 

Pela Unidade de pesquisas de Pelotas, o analista de transferência de tecnologias Apes Falcão Perera mostrará as ações do Projeto Biofort no RS. A atividade inicia às 8h30, na Sede da Embrapa Clima Temperado. O seminário vai envolver pesquisadores, analistas, bolsistas e estagiários.

Foto: Paulo Lanzetta/Divulgação

Postagens mais visitadas