Mapa cria programa para ajudar produtores e consumidores de leite

Produtores do Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Goiás, Minas Gerais e Paraná — os cinco principais estados que garantem o abastecimento de leite no país — serão beneficiados por um novo programa do Ministério da Agricultura. 

Os principais pontos do programa — cujo — começaram a ser discutidos em reunião da ministra Kátia Abreu (Agricultura, Pecuária e Abastecimento) com representantes do setor na quinta-feira (26). 

“A ideia é dar continuidade ao que está dando certo e trabalhar para melhorar o que dá para melhorar”, afirmou a ministra no encontro. “Vamos ajudar o produtor nisso”, completou. 

O programa vai contemplar pequenos e grandes produtores dos cinco estados que, juntos, são responsáveis por 73% de toda a produção de leite brasileira. A ministra marcou para março uma nova reunião de apresentação do pré-projeto, que está sendo elaborado com a ajuda do SENAR, FAEMG, CNA, Viva Lácteos, CBCL, Itambé, OCB e Confepar. Serão convidadas outras entidades interessadas na área, como a Embrapa e o Sistema S.

O QUE PODERÁ SER FEITO
1) Medidas para a erradicação da brucelose e da tuberculose no rebanho leiteiro.

2) Criação de um fundo indenizatório para eventuais abates decorridos da tuberculose bovina, doença incurável e transmitida pelo ar. A única forma de controle é o abate. 

3) Melhoramento genético do rebanho por meio de inseminação artificial e fertilização in vitro a fim de aumentar a produtividade.

4) Fornecer assistência técnica e colocar à disposição dos agricultores pacotes tecnológicos capazes de atender a diferentes volumes de produção. 

5) Criação de novos laboratórios de análise da qualidade do leite.

6) Melhores condições na aquisição de crédito para custeio e investimento.

7) Marco regulatório para o setor.

SAIBA MAIS
O volume de leite produzido no Brasil vem crescendo a cada ano. Foram 34,4 bilhões de litros em 2013 e, de acordo estimativas do IBGE, 36 bilhões em 2014.

A produção total no país aumentou 50% nos últimos 10 anos, mas esse bom desempenho se deve mais ao incremento do número de vacas ordenhadas do que à melhora da produtividade, que foi ampliada em apenas 23% no mesmo período.

Em 2014, o país teve o segundo melhor desempenho da história no valor das exportações de lácteos, com US$ 345,4 milhões, o que correspondeu a volume de 86 mil toneladas. A cifra, porém, ainda está longe do montante de US$ 16,6 bilhões exportados em carne, por exemplo.

Fonte: Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento
Foto: Paulo Palma Beraldo/De Olho no Campo

Postagens mais visitadas