Entrevista com o jornalista Dal Marcondes, fundador da Agência Envolverde

Paulo Palma Beraldo

O entrevistado de hoje é o jornalista Adalberto Marcondes, fundador da Agência Envolverde

Criada em 1995, a Envolverde produz conteúdo com foco em meio ambiente, economia e temas relativos à sustentabilidade.

Como o De Olho no Campo que agropecuária e sustentabilidade não podem caminhar separadas, Dal é o entrevistado hoje. 

O senhor trabalhou cobrindo a área de economia por vários anos em importantes meios de comunicação. Como foi a ideia de criar o seu próprio empreendimento e, especificamente, na área se jornalismo ambiental? 
Nos anos 1990 a área ambiental ainda não tinha uma cobertura profissional por parte da mídia. As poucas notícias eram principalmente relacionadas a acidentes ambientais provocados por derramamento de produtos químicos ou petróleo. 

A partir da Rio 92 alguns jornais começaram a dar algum espaço para notícias mais focada em gestão ambiental e de recursos como água ou florestas, mas muito pouco. E, 1995 fui procurado por um diretor da agência Inter Press Service (IPS) que estava fazendo um periódico para o Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (Pnuma), o Projeto terramérica, e que precisava de um editor no Brasil. 


Foi a deixa para eu começar a trabalhar efetivamente com pautas ambientais e de sustentabilidade. Daí a largar o jornalismo tradicional e empreender com a criação da Envolverde foi um passo.

O senhor acredita que os brasileiros estão suficientemente informados sobre a importância das questões ambientais?
Não dá para generalizar nisso. tem muita gente que está informada e tem muita gente que tem informação disponível mas não se interessa. Claro, há também aqueles que não são diretamente informados, mas hoje, na era da internet e da conexão total não dá para dizer que não se tem informações disponíveis. 

Hoje há muita informação sendo oferecida por todos os meios de comunicação, desde a televisão, através de seus telejornais e programas documentários, principalmente em canais a cabo, até jornais, revistas e sites que trabalham cotidianamente com pautas ambientais. 


Só não está informado quem realmente não quer saber, não se interessa e não quer mudar seu comportamento.

Nos últimos 20 anos, a área ambiental tem crescido e ganhado cada vez mais espaço na mídia e, consequentemente, nos debates públicos e conversas. O que fazer para ampliar cada vez mais essa abrangência?
Acho que já estamos no bom caminho. É só não parar de produzir cada vez mais conteúdos que levem informações relevantes para o público. E, também, aprofundar cada vez mais esses conteúdos através de uma abordagem mais qualificada e de fontes mais bem preparadas para oferecer informações.

Existem empresas que utilizam a ideia de sustentabilidade e o chamado 'marketing verde' com objetivos oportunistas, pregando uma coisa e praticando outra. Qual sua opinião sobre este assunto? 
As empresas que ainda se utilizam dos conceitos de sustentabilidade apenas como marketing estão com seus dias contados, porque a sociedade não está mais disposta a comprar ´s publicidade. Há muitas empresas sérias oferecendo produtos realmente melhor trabalhados em relação a seus impactos ambientais.

Um dos principais desafios da nossa geração é conciliar preservação ambiental com produção de energia, alimentos e combustíveis. Na sua visão, quais os melhores exemplos que unem essas duas características? 
Esse é um tema espinhoso, há muito a ser feito em relação a harmonizar produção de energia e alimentos e seus impactos ambientais. Há empresas que buscam selos e certificações de qualidade e excelência e que podem ser consideradas exemplos. 

Mas ainda estamos em uma fase de transição, as empresas que atuam de forma responsável estão ainda tateando novos caminhos e já não são o que eram anos atrás, mas ainda não chegaram ao que querem ser.

Qual sua opinião sobre a atuação do governo brasileiro e suas decisões em relação aos temas ambientais?  Que tipo de políticas o governo pode criar para auxiliar a conservação do meio ambiente na agricultura? 
O governo tem avançado em temas importantes como o desmatamento da Amazônia, hoje temos instrumentos de monitoramento muito bons e que permitem acompanhar em tempo real as ações de desmatadores. 

No entanto há problemas quando se trata de conflitos entre interesses ambientais e desenvolvimentistas, como o caso das usinas hidrelétricas na Amazônia. 

Houve os debates em torno das mudanças no Código Florestal e o tema foi tratado de forma muito mais política do que técnica por todos os lados envolvidos, o governo não exerceu seu papel de mediador nessa questão. 

Creio que precisamos ser mais técnicos e ter mais pesquisas sobre temas ambientais e tirar os debates do campo simplesmente dos interesses setoriais e políticos.

Quais os países mais avançados na defesa do meio ambiente e da produção sustentável, seja em relação a empresas, mídia, consciência popular etc? O que podemos aprender com eles?
A Europa é o continente onde as questões ambientais são levadas mais a sério. Lá as leis e as políticas ambientais são trabalhadas de forma muito objetiva. Mesmo assim há problemas, eles se utilizam de fontes energéticas problemáticas em muitos países, como a nuclear. 

Na agricultura gastam muito menos insumos químicos do que os brasileiros e, de maneira geral, a preocupação dos cidadãos está mais presente no cotidiano.

Postagens mais visitadas