Apicultura é alternativa de renda para agricultores familiares no Espírito Santo

A apicultura consiste na criação de abelhas com ferrão com o objetivo de produzir mel, própolis, geleia real, pólen e cera de abelha. 

Essa atividade pode ser uma significativa alternativa de renda para os agricultores familiares, visto que não é necessário muito tempo e nem grandes áreas de terra para sua criação.

Essa experiência tem sido intensificada pelos agricultores do município de Águia Branca, ES. Na localidade, a Associação de Apicultores de Águia Branca (Aguiamel) reúne 15 produtores. Além disso, existem diversos outros apicultores ainda não associados que realizam a atividade no município.

Apenas os apicultores integrantes da Aguiamel produzem cerca de 10 toneladas de mel por ano, que é vendido para o comércio regional e para outros estados, como Minas Gerais. A média de colheita por enxame por ano em Águia Branca gira em torno de 30 a 35 kg, maior que a média estadual, que é de 25 kg. O valor pago em 1 kg de mel no varejo é R$ 9,00 e no atacado é R$ 6,50.

De acordo com o técnico em desenvolvimento rural, Eduardo Tigre, a apicultura é uma alternativa de renda para os agricultores familiares. “A atividade não exige uma grande propriedade e nem uma quantidade excessiva de tempo de dedicação. Além da captura dos enxames e da colheita do mel, na época de safra, ou seja, no período de colheita do mel, devem ser feitas revisões de manejo quinzenais no apiário. Em tempos de entressafra, essas revisões são mensais”, explicou Eduardo.

De acordo com ele, as revisões consistem em verificar se as colmeias não têm ataques de formigas e pragas, se a atividade da abelha rainha está normal, entre outras questões. “Durante o ano, são possíveis de três a quatro colheitas por enxame, a depender do manejo de cada apicultor e das condições climáticas”, disse Eduardo.

Além de não causar danos às flores que visitam, as abelhas cumprem um importante papel de polinizadoras. “As abelhas são os principais polinizadores do café conilon, por exemplo, contribuindo assim para a maior quantidade e a qualidade do café produzido”, avaliou Eduardo.

Muitos agricultores podem ter receio de trabalhar com abelhas por causa das picadas. O técnico em desenvolvimento rural, entretanto, que também é apicultor, adverte que basta seguir as orientações técnicas para iniciar a atividade. 

- A abelha pode atacar porque se sente ameaçada. Ela tem seu alimento e sua família para defender. No entanto, ela só se sente ameaçada se pessoas ou animais estiverem muito próximas ao enxame. Se o agricultor instalar o apiário na propriedade conforme as recomendações técnicas e realizar o manejo correto, não há porque temer a atividade - falou Eduardo.

Ele disse, no entanto, que é importante se atentar para pessoas alérgicas ao veneno das abelhas antes de iniciar a atividade. “Existem relatos de pessoas que foram picadas por dezenas de abelhas e nada de grave ocorreu a elas. No entanto, há relatos de pessoas que foram picadas por uma única abelha e que foi fatal, pois eram alérgicas. Por isso, é muito importante saber essa informação antes de iniciar a atividade”, disse Eduardo.


Atividade de capacitação

Com o objetivo de incentivar ainda mais a atividade apícola no município de Águia Branca, será realizado um curso de capacitação nesta sexta-feira (18) e sábado (19), na sede do Centro de Referência de Assistência Social (CRAS). Irão participar cerca 25 agricultores, com foco em famílias de baixa renda do município.


Após a realização do curso, os participantes receberão um kit composto por 10 colmeias, equipamentos de proteção individual (EPI’s), como macacão, máscaras, luvas e botas, e um fumegador para iniciar a atividade em suas propriedades. Os associados da Aguiamel irão acompanhar essas famílias no desenvolvimento inicial da atividade.


Casa do Mel

O município de Águia Branca também contará com uma Unidade de Extração de Mel, popularmente conhecida como Casa do Mel, que em breve será disponibilizada aos sócios da Aguiamel. No local, pode ser feito o beneficiamento do mel, de maneira mais coletiva e higiênica. “Hoje a maioria dos apicultores do município realizam esse procedimento de maneira muito artesanal, em suas próprias casas. Com essa unidade de referência, a apicultura terá mais um avanço no município”, explicou Eduardo.

Fonte: Assessoria de Comunicação - Incaper
Foto: Divulgação

Postagens mais visitadas