Agrotóxicos: uso sustentável é possível ao seguir recomendações

Utilizar o agrotóxico da forma correta, seguindo as recomendações do rótulo, é um dos preceitos para que o produto esteja sendo usado da forma correta e, portanto, sustentável. Mas não é o único requisito. 

Segundo o pesquisador da Embrapa Agropecuária Oeste, Rômulo Penna Scorza Junior, que atua em pesquisas de contaminação ambiental por agrotóxicos, entre outras áreas, é importante que o produtor e o técnico fiquem atentos a peculiaridades da propriedade, “como não aplicar o agrotóxico próximo a recursos hídricos, tomar cuidado com lixiviação e, logicamente, fazer a aplicação do produto em horários mais adequados para evitar altas temperaturas”.


Para saber essas e outras informações, confira a entrevista concedida pelo pesquisador.

O uso de agrotóxicos é necessário para o controle de pragas, doenças e proliferação de plantas daninhas nas lavouras. Mas, ao mesmo tempo, tem preocupado diversos segmentos da sociedade, inclusive aquele que atua diretamente com os produtos, que é o setor agrícola. Nesse sentido, o que é importante deixar claro para a sociedade sobre esse tema?
Esses produtos são necessários, visto que precisamos garantir um patamar alto de produtividade, até porque é preciso ter retorno econômico de sua atividade agrícola. É importante enfatizarmos que estamos em um país tropical, em que a dinâmica de pragas, doenças e plantas daninhas é diferente de países temperados. Por isso é importante dizer que sua utilização envolve alguns riscos associados. A própria palavra “agrotóxico” é para dar uma conotação de risco a sua utilização. E precisamos estar cientes dos riscos, principalmente os relacionados à questão ambiental.

Os riscos ambientais associados a esses agrotóxicos são diferentes. Por isso é preciso saber qual agrotóxico está sendo usado; qual o maior risco associado àquele agrotóxico, por exemplo, se é contaminação de água, se é volatilização, se é contaminação de resíduo no solo; entre outros.

O que é comportamento ambiental de agrotóxicos citado na resposta anterior?
Quando os agrotóxicos são aplicados na cultura, grande parte desses agrotóxicos fica retida na planta, parte deles também vai para o solo – muitos deles são, inclusive, aplicados diretamente no solo. Após sua aplicação, esses produtos estão sujeitos a diferentes processos que podem ocorrer naquele ambiente. 

Por exemplo, eles podem ser transportados juntamente com a água da chuva, e sofrer processo de escoamento superficial e contaminar, por exemplo, água superficial; podem volatilizar, que é passar da fase líquida para gasosa e ficar na atmosfera. Por outro lado, eles também são degradados por organismos no solo, ou por degradação química; podem ficar retidos no próprio solo. Então, são vários processos que ocorrem após a aplicação desses produtos, e o estudo desses processos é o que chamamos de comportamento ambiental de agrotóxicos.

Quais as consequências de não se entender o comportamento ambiental dos agrotóxicos?
A escolha de um agrotóxico feita pelo agricultor ou pelo seu técnico está muito relacionada – e tem que ser assim – pela sua eficiência, logicamente, pelo seu custo, pela seletividade a inimigos naturais e estamos colocando esse outro componente que é o comportamento ambiental dos agrotóxicos. Acreditamos que o produtor pode sim colocar esse novo componente, já que existem agrotóxicos com a mesma eficiência, custos semelhantes e que têm comportamento ambiental completamente diferente.

Quais os critérios essenciais para o uso sustentável dos agrotóxicos, sem agredir a saúde e o meio ambiente?
É importante falar que, quando esses agrotóxicos são registrados no Brasil são realizados vários testes relacionados à sua eficiência, ao seu comportamento ambiental, justamente para caracterizá-lo quanto a sua periculosidade ambiental. Mas há outro componente chamado “exposição”: quando a recomendação de uso não é obedecida, as pessoas e o meio ambiente podem ficar expostos a altas concentrações daquele produto. 

Como se garante, então, o uso sustentável? Usando o produto da forma correta, conforme recomendação do rótulo; mas também ficando atento às peculiaridades de sua propriedade, como não aplicar o agrotóxico próximo a recursos hídricos, tomar cuidado com lixiviação, logicamente fazer a aplicação do produto em horários mais adequados para evitar altas temperaturas.

É possível antever o comportamento ambiental do agrotóxico no campo?
Sim. Para isso, é preciso levar em conta características do agrotóxico, do solo e do clima. E tendo subsídios técnicos, com essas informações em mãos, é possível ter uma ideia dos possíveis riscos ou do potencial de contaminação dos recursos hídricos daquele agrotóxico. Com os subsídios técnicas, é feita a comparação entre moléculas. A molécula “A” tem maior possibilidade de lixiviar que a molécula “B”. 

Mas existe outra forma de prever, antecipar riscos, que é maneira pela qual a pesquisa tem se dedicado, elaborando programas de computador que tentam simular o que acontece no campo, utilizando simplesmente uma ferramenta computacional com posse das informações de clima, de solo e da molécula do agrotóxico, por meio de modelos matemáticos. Com isso é possível saber até que profundidade vai chegar, a que concentração vai chegar naquela profundidade, quanto tempo vai permanecer no solo, o que vai acontecer com o produto se mudar a época de aplicação.

Nesse sentido, a Embrapa tem trabalhado no desenvolvimento de um programa de computador que tem como objetivo simular o comportamento ambiental de moléculas de agrotóxicos em cenários agrícolas brasileiros. Com isso, será possível estimar concentrações que podem ocorrer nesses cenários agrícolas. Com base nesses valores, nessas estimativas, os órgãos que lidam com os registros de moléculas de agrotóxicos querem utilizar essas ferramentas para avaliar o risco ambiental no Brasil.

Como o engajamento de produtores e técnicos no uso prático dessas recomendações impacta a vida da população? 
A sociedade está sempre preocupada com essa questão. Mas o que é importante deixar claro é que a pessoa que faz uso desses produtos esteja realmente ciente, tenha informações que a utilização está sendo feita de forma segura, e que não esteja causando impactos à sociedade, em relação a vários aspectos, como resíduos em água, em alimentos. Nossa missão, como instituição de pesquisa, é passar essas informações para quem faz uso desses produtos, sejam informações que alertam para algum problema ou informações que passam segurança para a sociedade.

Fonte: Sílvia Zoche Borges/Embrapa Agropecuária Oeste
Foto: Paulo Palma Beraldo/De Olho no Campo

Postagens mais visitadas