Agricultores mineiros usam criatividade para melhorar o manejo e a produção de morangos

A criatividade é a principal aliada dos irmãos Gilberto e Fábio Almeida, quando o assunto é produção de morangos. 

Depois de tentarem cultivo de morangos pelo método tradicional e não obterem bons resultados, eles investiram no sistema alternativo conhecido como soilless. 


Não satisfeitos ainda, os irmãos fizeram adaptações, como a utilização de calhas de isopor. Com as mudanças, eles conseguiram melhorar as condições de trabalho e o desempenho da lavoura.
Os irmãos Gilberto e Fábio Almeida começaram a produção de morango com o cultivo tradicional, sistema em que as plantas ficam no chão, em túneis baixos, e desprotegidas das ações do clima. Mas eles não ficaram satisfeitos com os resultados. Entre os principais problemas apontados por Gilberto e Fábio estão a necessidade de usar agrotóxicos, prejuízos para a postura do trabalhador, o tempo gasto em abrir e fechar os túneis baixos, custo de manutenção dos canteiros e o baixo aproveitamento de material ao renovar o plantio.
Sistema soiless
Com isso, eles adotaram o sistema soilless. Por esse método, o morango é cultivado numa estufa, que protege as plantas das ações climáticas. As mudas são plantadas nos slabs (sacos plásticos também conhecidos como travesseiros). Os slabs são preenchidos com substrato para receberem as mudas e furados para que as plantas possam se desenvolver. Os slabs são colocados em bancadas para que as mudas fiquem suspensas e não tenham contato com chão.
Propriedade dos irmãos tem 30 mil plantas. Foto: Arquivo pessoal

Os irmãos adotaram o sistema soilless após pesquisarem sobre o assunto e verificarem a viabilidade do método com a equipe do escritório da Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Estado de Minas Gerais (Emater-MG), no município de Antônio Carlos.

A mudança contribuiu para solucionar os problemas citados acima pelos produtores. Por exemplo, o controle de pragas passou a ser feito sem o uso de agrotóxicos. Outro benefício é que as pessoas que cuidam do manejo da lavoura de morango, agora, trabalham em pé. “Saltamos de 5 mil plantas por trabalhador para algo em torno de 12 mil, pois trabalhamos em pé e fazemos a colheita com carrinhos”, relata Gilberto Almeida.
Apesar das melhorias, os irmãos decidiram fazer algumas adaptações. Os produtores substituíram os slabs por calhas de isopor. As calhas ficam suspensas por uma estrutura e são cobertas com plástico antes de receberem o substrato e as mudas. 
Há 12 estufas na propriedade dos Irmãos Almeida. Foto: Arquivo pessoal
Além de durável, o isopor trouxe benefícios, como a redução das oscilações de temperatura, que podem prejudicar a produtividade da lavoura, e possibilitou a renovação das plantas. “A calha de isopor chega a reduzir a oscilação da temperatura em 17 graus. Ao implantar as calhas de isopor ganhamos em torno de 400 gramas por planta em sete meses e demos longevidade ao nosso plantio. Isso nos permitiu melhorar o manejo”, conta Fábio Almeida.
A propriedade dos irmãos Almeida tem doze estufas, totalizando um total de 30 mil plantas. Semanalmente são produzidas de 400 a 600 caixas. A produtividade da plantação chega a 2,4 quilos por planta. Os morangos dos produtores são comercializados no município de Antônio Carlos, Belo Horizonte e Rio de Janeiro.
Fonte: Agência Minas
Foto: Paulo Palma Beraldo/De Olho no Campo

Postagens mais visitadas