Drones: "tecnologia não tem volta", diz pesquisador da Embrapa

Veículos aéreos não tripulados (VANTs) podem custar de R$ 5.000 a R$ 120.000 e são uma evolução para a agricultura de precisão

Paulo Palma Beraldo

Durante a Agrishow 2014, a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) apresentou uma tecnologia que promete revolucionar a agricultura de precisão no Brasil: os veículos aéreos não tripulados, conhecidos como VANTs ou drones. 

O De Olho no Campo participou de uma entrevista coletiva no estande da Embrapa com Lúcio André de Castro Jorge (foto ao lado), que pesquisa essa tecnologia há mais de 15 anos. 

Lúcio explica que a Embrapa trabalha com a tecnologia desde 1998 e que, na época, a conjuntura era outra. A Embrapa já investiu mais de R$ 5 milhões desde o início das pesquisas. 

Naquele momento, as tecnologias não estavam tão disponíveis. Era tudo muito caro e mais difícil de fazer. Com o barateamento da tecnologia, com as câmeras mais acessíveis, miniaturizadas, essa tecnologia está chegando para o campo

Drones serão capazes de identificar a existência de pragas, falhas nas plantações, problemas de solo, presença de ervas daninhas entre outras situações. Tudo depende da câmera, como explica o pesquisador Lúcio Jorge. 

- Funciona como auxílio para o agricultor subir e 'olhar' a lavoura. Vai permitir verificar o que ele não consegue olhando pelos lados - explica Lúcio André de Castro Jorge, da Embrapa Instrumentação, localizada em São Carlos-SP. 

Tecnologia chamou a atenção dos visitantes e jornalistas.
Foto: Paulo Palma Beraldo/De Olho no Campo
Ele ressalta que a Embrapa vai trabalhar para ajudar o produtor a dominar a tecnologia e capacitar-se, mas não vai vender o produto nem montá-lo. A ideia é mostrar para cada produtor qual drone é mais adequado para sua propriedade e suas necessidades. 

- A Embrapa não vai fornecer drones. Ela vai ajudar o agricultor a usar essa tecnologia, oferecendo softwares e ferramentas para a pessoa poder avançar nessa área. Fazer, por exemplo, algum curso para que ele seja orientado a fazer o seu drone, para que ele não compre o produto 'de olhos fechados'. 

Equipamento pode ser utilizado para diversas operações e custo varia de acordo com elas.
Foto: Paulo Palma Beraldo/De Olho no Campo
Autonomia
Montar um VANT exige um pouco de conhecimento, mas quem já mexeu com aeromodelismo pode ter um pouco de facilidade, explica Lúcio Jorge. Cada drone tem sua autonomia específica, mas alguns podem alcançar até dois quilômetros de altura. No entanto, só é permitido voar até 300 metros, para não haver interferência no espaço aéreo. 

Regularização
A Agência Nacional de Aviação Civil proibiu o uso de veículos áereos não tripulados para qualquer aplicação. Por enquanto, apenas órgãos de pesquisa podem fazer uso dos drones. Espera-se que até o final de 2014 a agência promova uma regularização da tecnologia. 

Postagens mais visitadas