Irrigação do tomateiro orgânico é tema de livro

Crescimento da demanda e escassa literatura sobre o tema levaram o pesquisador Waldir Marouelli, da Embrapa Hortaliças (Brasília, DF), a registrar resultados de pesquisas, experiências e tecnologias desenvolvidas no livro Irrigação da cultura do 'Tomateiro Orgânico – Enfoque no manejo de doenças e de insetos-praga'. 

A publicação começa por expor os métodos de irrigação que podem ser usados na cultura do tomateiro em sistemas orgânicos de produção, passa pela apresentação de critérios para a seleção do sistema mais adequado para uma determinada condição, segue pelos cuidados e manutenção, avança pela necessidade de água nas diferentes fases da cultura e fecha com a apresentação de métodos simplificados para a determinação de quando e quanto irrigar. 

De acordo com o pesquisador, sendo o tomate uma das hortaliças mais difíceis de ser produzidas em sistema orgânico, em razão de sua alta suscetibilidade a pragas e doenças, a irrigação desempenha um importante papel dentro desse horizonte, “devido à íntima relação da água com as doenças”. 

- A forma como a água é aplicada nas plantas de tomateiro tem efeitos na incidência de insetos-praga e, principalmente, de doenças, daí a preocupação de explicitar no livro o papel da irrigação e suas interações com outros tratos culturais adequados para o sistema orgânico - explica Marouelli. 

Ele acrescenta que os temas abordados no livro são baseados em resultados obtidos a partir de pesquisas desenvolvidas na Embrapa Hortaliças, dentro do sistema de produção de tomate orgânico, a partir de projetos de pesquisas conduzidos entre 2008 e 2011. 

Dentre as tecnologias apresentadas no livro vale destacar a indicação do uso de dois sistemas distintos de irrigação numa mesma lavoura de tomate: um que molha toda a planta (aspersão) e outro que molha somente o solo (gotejamento ou sulco). 

Segundo Marouelli, essa estratégia é indicada para regiões ou estações com baixa umidade relativa do ar e baixa ocorrência de chuva. Irriga-se por aspersão quando não existe chuva ou orvalho (baixa umidade do ar) e por gotejamento (ou sulco) quando houver alta umidade no ar. Nas condições de Cerrado do Brasil Central, o uso de sistema conjugado de irrigação possibilita aumento médio de 80% na produtividade de tomates orgânicos, graças, por exemplo, a uma redução na incidência de doenças e de insetos-praga. 

Junto com Marouelli, assinam a edição técnica do livro os pesquisadores Marcos Braga (Embrapa Hortaliças) e Daniel Lage (Agrícola Wehrmann). 

Fonte: Anelise Macedo/Embrapa Hortaliças

Foto: Shutterstock

Postagens mais visitadas