Raça paranaense Purunã será destaque do Iapar na ExpoLondrina

A principal atração do Instituto Agronômico do Paraná (Iapar) na ExpoLondrina 2014 será a apresentação de um lote de Purunã, raça que vem ganhando notoriedade entre os pecuaristas e já ultrapassou as fronteiras do Paraná, com criadores no Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Mato Grosso e até no Amazonas. Os animais estarão expostos no Pavilhão Comendador Luiz Meneghel. 

Genuinamente paranaense, a raça Purunã é resultado de mais de 30 anos de estudos e cruzamentos envolvendo as raças Caracu, Canchim, Charolês e Aberdeen Angus, realizados na Estação Experimental Fazenda-Modelo, em Ponta Grossa. 


Uma das maiores feiras agropecuárias da América Latina, a Expolondrina será aberta nesta quinta-feira (03), às 14h, com a participação do governador Beto Richa, que anunciará uma série de ações para o setor no Paraná. 

O pesquisador do Iapar José Luiz Moletta explica que a Purunã é a primeira raça para corte desenvolvida no Estado e, também, a única criada por um centro estadual de pesquisa no Brasil. O nome é uma homenagem à Serra do Purunã, que separa o primeiro e o segundo planaltos do Paraná, da qual a Fazenda-Modelo é bem próxima. 

Qualidades
Moletta explica que o Purunã agrega os atributos economicamente relevantes de cada raça formadora. Caracu e Canchim transmitiram rusticidade, tolerância ao calor e resistência aos carrapatos. A Charolês contribuiu com a velocidade de ganho de peso, grande rendimento de carcaça, elevado porcentual de carnes nobres e pequena capa de gordura. Já a raça Angus conferiu precocidade, tamanho adulto moderado e temperamento dócil, além de carne macia e com alta qualidade de marmoreio. Destaca-se, também, a habilidade materna e boa produção de leite das vacas, características herdadas de Caracu e Angus. 

De acordo com o pesquisador, Purunã pode ser adotada como raça exclusiva ou para uso em cruzamentos com vacas Nelore e aneloradas, visando terminação. 

Em 2012, o Ministério de Agricultura e Abastecimento autorizou o Iapar a emitir o Certificado Especial de Identificação e Produção (Ceip) do Purunã, documento que permite sua apresentação e comercialização em todo o Brasil. O registro definitivo da nova raça deverá ser concluído até o final de 2014. 

Projeto 
O trabalho de formação do Purunã começou no início da década de 1980. Os pesquisadores constataram que na luta para aumentar o rendimento dos rebanhos – com uso de inseminação artificial, seleção genética e cruzamentos industriais – os criadores encontravam dificuldades na condução de acasalamentos, desconsiderando parâmetros genéticos cruciais para obter o máximo que cada uma das raças envolvidas pode oferecer, conta Moletta. 

Para resolver o problema, os pesquisadores propuseram entregar aos pecuaristas um composto – também chamado de bovino sintético, pois é obtido pelo cruzamento sucessivo e controlado de diferentes raças – já pronto, formado a partir das raças Caracu, Canchim, Aberdeen Angus e Charolês. 

Via Rural 
 O Iapar estará presente ainda na Via Rural, também conhecida como “Fazendinha”, onde apresentará técnicas de criação de caprinos e ovinos, condução de lavouras de café em consórcio com seringueira e, também, opções de pastagens. Pesquisadores do instituto estarão à disposição para esclarecer as dúvidas dos visitantes durante toda a Expolondrina, realizada de 3 a 13 de abril. 

A feira 
 Uma das maiores feiras do setor na América Latina, a ExpoLondrina deve manter os bons números registrados na edição passada. Além do público que ultrapassa meio milhão de pessoas, a expectativa é de uma movimentação financeira de mais de R$ 400 milhões. Entre as atrações, estão shows de música sertaneja, rodeio, leilões, eventos técnicos, além da exposição de 10 mil animais de mais de 30 diferentes raças. 


Fonte: Edmilson Gonçales Liberal/Iapar
Foto: Josué Teixeira/Gazeta do Povo

Postagens mais visitadas