Minas mostra a estrangeiros os avanços da produção de uvas e vinhos

Uma missão do Centro de Tecnologia de Vinho do Governo de Yamanashi, no Japão, está percorrendo áreas de cultivo de uvas em Minas Gerais. O grupo, coordenado pelo pesquisador Masakazu Komatsu, faz o giro em companhia do secretário adjunto de Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Seapa), Paulo Romano. 

O programa foi sugerido pelo Governo de Minas durante visita em setembro de 2013 à província de Yamanashi, que há 40 anos firmou um acordo de irmandade com o Estado.

O grupo percorreu plantações de uvas e indústrias localizadas em São Gonçalo do Sapucaí e outras áreas do Sul do Estado que trabalham com produção própria. De acordo com Romano, as propriedades cultivam uvas de acordo com tecnologia desenvolvida pela Empresa de Pesquisa Agropecuária do Estado de Minas (Epamig), vinculada à Secretaria de Agricultura, Pecuária e Abastecimento.

Ele explica que os produtores do Sul do Estado estão aderindo à dupla poda dos vinhedos, que modifica a época de produção e maturação da uva, transferindo-a do período chuvoso e quente do verão para o período mais seco e ameno do outono. Isso, segundo o secretário adjunto, possibilita maior concentração de açúcar na uva, redução da incidência de doenças e, portanto, a melhor qualidade do vinho. As vinícolas de São Paulo também estão utilizando o conhecimento gerado pela Epamig, acrescenta Romano.   

A inovação da dupla poda foi desenvolvida no Núcleo de Uva e Vinho da Epamig no município de Caldas, Sul do Estado. Na visita à unidade, os técnicos mineiros e japoneses vão discutir com os japoneses as perspectivas de intercâmbio de conhecimentos nos segmentos de produção de uvas de mesa e vinho. Romano considera a possibilidade de troca de materiais genéticos que possibilitem produtos de melhor qualidade e valor.

Projeto Jaíba
O programa da visita inclui contatos com os produtores de uvas do Projeto Jaíba, no Norte de Minas, nos dias 12 e 13 de março. Há uma produção diversificada de frutas na área, inclusive uvas originárias de clima temperado. No projeto, a irrigação possibilita colheita o ano inteiro. Romano considera que a produção de uvas no Jaíba também poderá ser aprimorada mediante o intercâmbio de conhecimentos com os técnicos japoneses. “O Japão não tem grande produção de uvas, mas suas frutas, originais e desenvolvidas no próprio território, apresentam alta qualidade para consumo de mesa e fabricação de vinhos finos”, finaliza.


Fonte: Agência Minas
Foto: Divulgação

Postagens mais visitadas